Problemas de memória?

Existem estudos recentes sobre o papel de certos componentes nutricionais na melhora da função cerebral

Por Nutricionista Ricardo Ogawa 07/06/2021 - 15:42 hs

Somos o que comemos e o que lembramos não é mesmo? Então para uma boa memória é essencial uma boa alimentação. Segue algumas dicas valiosas para turbinar o cérebro.

Existem estudos recentes sobre o papel de certos componentes nutricionais na melhora da função cerebral, destacando-se: os flavonoides, a colina, o ômega-3, as vitaminas do complexo B, a fisetina e a glicose.

Os Flavonoides são os maiores constituintes de frutas, vegetais e bebidas derivadas de plantas como os vinhos, chás, cacau e sucos de frutas. Destacam-se uma potencial ação neuroprotetora, tendo influência na expressão genética e na regulação de morte celular de neurônios.

A Colina esta presente na gema do ovo e na soja. É necessária para a biossíntese de fosfolipídios das membranas celulares e de um precursor do neurotransmissor acetilcolina, que, acredita-se estar envolvido nas funções de aprendizagem e memória. Colina e lecitina (forma de colina livre) têm também sido estudadas como promotores de potencial da memória.

O Ômega-3 está presente em peixes de água fria, como a sardinha, o salmão, o atum, a anchova, o arenque e a cavala. Quantidades adequadas de um tipo de ômega-3, o ácido docosaexaenoico (DHA), são essenciais para uma ótima função e um bom desenvolvimento do sistema nervoso central. O ácido araquidônico (AA), DHA e acetilcolina hipocampal (Ach) interagem um com outro e melhoram a memória.

Algumas pesquisas têm focado nos efeitos das vitaminas B6 e B12 sobre a função cognitiva e a memória. As vitaminas do complexo B estão presentes nos grãos integrais, leguminosas, leite e derivados.

A Fisetina é uma substância que induz a diferenciação, ou amadurecimento, de células do sistema nervoso. O processo de maturação desencadeado pela fisetina é importante na formação da memória. A fisetina está presente no morango, no pêssego, na uva, no kiwi, no tomate, na maçã e na cebola.

A Glicose pode atuar no cérebro alterando o metabolismo neural ou síntese de neurotransmissor e é a principal fonte de energia para a atividade neural, que pode ser alterada, assim como o metabolismo cerebral. Os produtos do metabolismo da glicose são substratos para muitos neuroquímicos, incluindo neurotransmissores como acetilcolina, glutamato e ácido gama-aminobutírico, que estão envolvidos na aprendizagem e na memória.

Dicas para Formação e Preservação da Memória:

• Reduza seus níveis de estresse e aumente do consumo de alimentos antioxidantes;
• Dê preferência ao consumo de alimentos naturais (frutas, vegetais e grãos integrais), não industrializados;
• Aumente o consumo de peixes ricos em Ômega-3 (sardinha, o salmão, o atum, a anchova);
• Fracione as refeições a cada três horas, para manter um fornecimento adequado de glicose no cérebro;
• Consuma ovos pelos menos 2 vezes por semana. De preferência caipira
• Aumente o consumo de grãos integrais e leguminosas para manter uma ingestão adequada de vitaminas do complexo B.

 

Nutricionista Ricardo Ogawa - CRN 31.534
Nutrição Funcional Esportiva e Fitoterapia













-->