Legado das Águas lança programa de saúde única para apoiar municípios do Vale do Ribeira

Reserva compartilhará informações sobre a floresta geradas em suas pesquisas científicas para que as cidades possam aplicar na saúde pública, em ações para prevenção de doenças

Por Redação 13/10/2021 - 14:31 hs

O Legado das Águas, maior reserva privada da Mata Atlântica do país, em parceria com pesquisadores do Instituto Butantan, Universidade Santo Amaro, acaba de lançar seu Programa de Saúde Única (PSU), que vai disponibilizar informações geradas pela Reserva que possam contribuir em ações para promoção da saúde pública nos municípios do Vale do Ribeira, onde está inserido.

O conceito de Saúde Única, que está institucionalizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), considera que a saúde humana e a saúde animal – incluindo animais domésticos e de vida selvagem – são interdependentes e vinculadas à saúde dos ecossistemas. Esse princípio é fundamental para o controle e prevenção de uma série de enfermidades, como é o caso das doenças negligenciadas, comumente causadas por agentes infecciosos ou parasitas e que afetam milhões de pessoas em todo o mundo. Tais doenças ocorrem principalmente nas áreas em que a população é mais vulnerável, pois vivem com acesso limitado à serviços de saúde e saneamento básico.

Daniela Gerdenits, coordenadora de atuação socioambiental da Reservas Votorantim, empresa gestora do Legado, sintetiza a importância do lançamento do PSU para a região. “Através do Programa de Saúde Única, vamos compartilhar com Tapiraí, Juquiá e Miracatu, municípios em que estamos inseridos, todo o conhecimento gerado pelas pesquisas desenvolvidas no Legado das Águas e a experiência dos pesquisadores parceiros com o objetivo de promover formações e ações educativas para seus profissionais de saúde, sempre trazendo dados condizentes com a realidade local”, conta.

Diagnósticos iniciais

Entre os meses de março e maio, a equipe organizadora do Programa de Saúde Única se reuniu com servidores dos municípios de Juquiá, Miracatu e Tapiraí com o objetivo de identificar oportunidades para o desenvolvimento de ações dedicadas à ampliação de conhecimentos técnicos e práticos sobre o conceito de saúde única. O objetivo foi pensar em iniciativas que contribuíssem com programas específicos e rotinas focadas na prevenção e controle de doenças negligenciadas, resultando, também, na sensibilização dos municípios acerca da importância da conservação do meio ambiente para prevenção de doenças.

A partir desses encontros, foi possível elaborar um diagnóstico e pautar os próximos passos do PSU, que envolvem a divulgação dos resultados das pesquisas relacionadas ao tema da Saúde Única realizadas no Legado das Águas; a promoção de ações formativas e educativas para os servidores municipais envolvidos; e o desenvolvimento de material de apoio informativo para divulgação. O público-alvo do programa são profissionais das secretarias municipais de saúde, vigilância epidemiológica, vigilância sanitária e controle de zoonoses, além de servidores de outras áreas correlacionadas ao tema.

Início do Programa

A primeira ação do programa, o workshop “Café e ciência: O que é Saúde Única e suas inter-relações nas instâncias da prefeitura”, foi realizado no dia 4 de agosto em Tapiraí, município parceiro do programa e responsável pela mobilização do público. “O secretário de Saúde de Tapiraí, Pedro Canuto de Souza, participou da ação e, ao final, reconheceu a importância da proposta do Programa de Saúde Única, mostrando o valor da parceria entre o Legado e o município, reforçando a percepção de que estamos seguindo no caminho certo para contribuir com o desenvolvimento da saúde pública de Tapiraí”, afirma Elaine Izabel de Moura, analista de educação ambiental do Legado das Águas, que acompanhou o evento.

Gabriel Gade Martins Mesquita, analista de pesquisa do Legado das Águas e um dos criadores do programa, explica que o workshop faz parte do primeiro ciclo de ações do PSU, que foi executado até o final de setembro com o objetivo de iniciar o diálogo com o público sobre o conceito de saúde única e seus eixos temáticos. “O segundo ciclo, por sua vez, é dedicado a promover o debate acerca dos resultados obtidos por meio dos projetos de pesquisa realizados no Legado das Águas, englobando palestras, treinamentos e atividades de campo, e está previsto para ocorrer até fim do mês de novembro. Em dezembro, terá início o terceiro e último ciclo do PSU, destinado a compartilhar os resultados e experiências obtidos durante a execução do programa”, finaliza.

A equipe de pesquisadores parceiros do PSU é composta por:

Dra. Ana Maria Ribeiro de Castro Duarte, pesquisadora científica da SUCEN – Secretaria de Estado Saúde e pesquisadora associada do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. Possui doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo e, no Legado das Águas, integrou o projeto “Biodiversidade de plasmódios e mosquitos na Reserva Legado das Águas”;

Dr. Arlei Marcili, doutor em Ciências, com foco em Biologia da Relação Patógeno-Hospedeiro, e pós-doutor pelo Instituto de Ciências Biomédicas na Universidade de São Paulo. No Legado das Águas, coordena o projeto “Programa de controle de zoonoses e impactos ambientais causados por fauna doméstica no Legado das Águas – Reserva Votorantim”;

Dr. Gabriel Zorello Laporta, doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. No Legado das Águas, coordenou o projeto “Biodiversidade de plasmódios e mosquitos na Reserva Legado das Águas”.

Giuseppe Puorto, pesquisador científico do Instituto Butantan e diretor do Centro de Desenvolvimento Cultural e do Museu Biológico. No Legado das Águas, coordena o projeto “Levantamento da herpetofauna e divulgação cientifica”.

Saiba mais em https://www.legadodasaguas.com.br














-->