Prepare-se para o 65º Tooro Nagashi de Registro

Tradicional homenagem aos antepassados acontece nos dias 1, 2 e 3 de novembro na Praça Beira Rio

Por Redação 02/10/2019 - 10:17 hs
Foto: São Paulo Shimbun

Nos dias 1, 2 e 3 de novembro acontecerá o 65º Tooro Nagashi de Registro, um dos maiores eventos da cidade. O tradicional Tooro Nagashi de Registro, que é realizado na Praça Beira Rio, é pioneiro no país, constituindo-se no maior e principal evento da colônia japonesa no sul do Estado de São Paulo. Todos os anos atrai mais de 20 mil pessoas que ainda podem desfrutar da culinária típica, muita música e dança.

A soltura dos tooros (barquinhos contendo velas acesas) acontece ao anoitecer do dia 02. Os tooros com os nomes dos falecidos homenageados serão soltos nas águas do Rio Ribeira de Iguape, ao anoitecer do Dia de Finados, 2 de novembro, durante a celebração do tradicional Tooro Nagashi.

Os tooros podem ser adquiridos no Bunkyo de Registro pelos telefones 13.3822-4144 e 3822-2865, pelo site www.tooronagashi.com.br ou no dia do evento.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE 

 

 

Conheça a história do Tooro Nagashi de Registro

Em uma linda cerimônia as lanternas de papel são levadas pelo vento nas águas do Rio Ribeira, na cidade de Registro. As luzes servem para iluminar o caminho das almas e propagam a paz! Beleza e emoção mesclam a tradição do Tooro Nagashi, homenagem japonesa aos antepassados realizada pela primeira vez no Brasil (em Registro) em 1955.

De acordo com a história, um viajante japonês de passagem pela região caiu e se afogou no Rio Ribeira de Iguape ao tentar lavar o rosto pela manhã. A pedido da família do viajante no Japão, o Sr. Emyo Ishimoto, monge da Nichiren Shu (uma das doutrinas do Budismo), recém chegado ao país com sua esposa Myoho, procurou em Registro o Sr. Bunzo Kasuga, na época um dos poucos adeptos de Nichiren Shu na cidade e, juntos realizaram a cerimônia em homenagem a ele.

Na época, foram lançados sete tooros, levando sete caracteres de “Na-Mu-Myo-Ho-Ren-Ge- Kyo” (“Eu me refúgio no Sutra da Flor de Lótus do Maravilhoso Dharma”), mantra sagrado da ordem budista Nichiren Shu.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

 

 

Anos depois, o monge Emyo Ishimoto e Bunzo Kasuga conseguiram a doação de um terreno da Prefeitura de Registro e ali ergueram um monumento em homenagem às vítimas de afogamento. E, é exatamente neste local, na margem do Rio Ribeira de Iguape (Rua Miguel Aby-Azar, área central da cidade), que até hoje acontece a cerimônia religiosa.

Tooro significa lanterna de papel. Nagashi, levar-se pelo vento.

Tradicional em várias regiões do Japão, o Tooro Nagashi é uma cerimônia em homenagem aos mortos. O evento acontece normalmente ao anoitecer do último dia do Obon, feriado japonês de finados com duração de três dias, quando, em águas de rio ou mar, os participantes soltam barquinhos (tooros) contendo velas acesas e os nomes dos antepassados falecidos.

Feitas com papel manteiga e velas sobre base de madeira, as lanternas coloridas deslizam sobre as águas levadas pelo vento, iluminando o caminho das almas e propagando mensagens de paz.

O Tooro Nagashi mais famoso do Japão é o de Nagasaki. A data do evento pode variar de acordo com a região. Há localidades em que acontece durante o Tanabata, uma das maiores festas populares do país.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

 

 

Crescimento da Cerimônia

De forma rápida a celebração foi crescendo ano após ano e hoje é organizada pela Associação Cultural Nipo Brasileira de Registro (Bunkyo) e pela Nichiren-Shu do Brasil.

Começou homenageando as pessoas falecidas no rio, mas depois a homenagem se estendeu às vítimas de acidentes na Rodovia BR-116 (que passa sobre o Rio Ribeira) e já há alguns anos os Tooros coloridos levam os nomes de todos os falecidos que os participantes queiram reverenciar, independentemente de como tenham morrido.

Hoje, o Tooro Nagashi integra de forma harmônica adeptos de diferentes religiões e filosofias. O importante é homenagear os mortos e transmitir mensagens de paz.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE 

 

 

Sendo assim, atualmente as cerimônias reúnem representantes do Templo Budista Honpa Hongwanji de Registro, das igrejas Católica e Episcopal, da Seicho-No-Ie, da Igreja Messiânica e das organizações Omoto Kyo (religião japonesa com raízes no Xintoísmo) e Sokagakkai (associação religiosa que segue os ensinamentos de Nichiren).

Na noite de finados, 2 de novembro, antes de soltar os Tooros, jovens tocam taikô (tambores japoneses) e a madre Myoho Ishimoto, monja do Templo Nichiren Shu Emyoji (localizado em São Paulo) e viúva do monge Emyo, reza pela purificação das águas do Ribeira de Iguape, a bordo de um barco enfeitado por bandeiras que sobe e desce o rio no final da tarde de 2 de novembro. Depois, os barquinhos são colocados um a um no rio, que reflete suas lanternas coloridas e acaba coberto por um extenso caminho de luzes levadas pelo vento, enquanto fogos de artifício iluminam o céu.

O Tooro Nagashi de Registro integra os calendários oficiais de eventos turísticos do município e do Estado de São Paulo.














-->