Parque Estadual Carlos Botelho forma Monitores Ambientais

Os alunos estão aptos a conduzir os ecoturistas que visitam os Parques Estaduais situados no Vale do Ribeira de forma profissional e segura

Por Redação 27/02/2020 - 15:57 hs
Foto: Divulgação / Fundação Florestal

No dia 19 de fevereiro, o Parque Estadual Carlos Botelho realizou a cerimônia de entrega dos diplomas para os 14 alunos do município de Sete Barras, no Vale do Ribeira, que participaram do curso de Monitoria Ambiental, promovido pela Unidade de Conservação.

Uma parceria firmada entre o Parque Estadual Carlos Botelho, a Universidade Federal de São Carlos e a Prefeitura de Sete Barras possibilitou a realização do curso destinado a moradores do Vale do Ribeira, com o objetivo de profissionalizar a atividade de condução de turistas e ecoturistas aos Parques Estaduais e reservas particulares da região.

O curso, realizado entre os meses de junho de 2019 e janeiro de 2020, foi estruturado em 250 horas/aula em que foram ministrados sete módulos básicos e quatro módulos avançados por professores da Universidade Federal de São Carlos, gestores de Unidades de Conservação, professores do SENAC de Registro, além de profissionais de instituições de pesquisa científica, de associações de observadores de aves, de operadoras de ecoturismo e de empresas do ramo de Primeiros Socorros.

Com os diplomas nas mãos, os 14 alunos que participaram do curso já estão aptos a conduzir, de forma profissional e segura, os ecoturistas que visitam os Parques Estaduais situados no Vale do Ribeira, além de apresentar a rica biodiversidade existente nesta região. Com esta ação, a Fundação Florestal alcança mais um de seus objetivos, que é fomentar a economia da região por meio da abertura de novas frentes de trabalho por meio do ecoturismo.

Sobre o Parque

O Parque Estadual Carlos Botelho é uma unidade de conservação do bioma Mata Atlântica que contribui para duas Bacias Hidrográficas, Alto Paranapanema e Vale do Ribeira. Está situado nos municípios de São Miguel Arcanjo, Sete Barras e Capão Bonito. Os seus 38.705,48 hectares abrigam florestas ombrófilas densas, onde se destacam espécies como palmito-juçara, canela, jequitibá e figueira, cujo estado de preservação é considerado elevado.

Situado na Serra de Paranapiacaba, compõe o Mosaico do Paranapiacaba, um dos maiores contínuos de Mata Atlântica do mundo. A unidade também é reconhecida como “Sítio do Patrimônio Mundial Natural” pela UNESCO.

Em seu território, se destacam os seguintes espécimes da fauna ameaçados de extinção: onça-pintada, anta, queixada. Possivelmente, o Parque é a unidade de conservação a abrigar o muriqui-do-sul e o mico-leão-preto. Um importante destaque do PECB é a sua Estrada-Parque, com a importante função de conectar o Alto Paranapanema com o Vale do Ribeira.