Feirão da SERASA renegocia dívidas com desconto de até 98%

O feirão Limpa Nome oferece renegociação pela internet, smartphone e escritórios da SERASA

Por Assessoria 11/03/2020 - 10:00 hs
Foto: Reprodução Internet

Até o final deste mês de março, as pessoas físicas e microempreendedores endividados terão a oportunidade de renegociar suas dívidas no SERASA com desconto de até 98%. O “Feirão SERASA Limpa Nome” oferece renegociação pela internet, smartphone e nos escritórios da SERASA em todo país.

Os devedores podem pedir a renegociação no site ou no aplicativo Serasa Consumidor, disponível para os dispositivos dos sistemas iOS e Android. Segundo o diretor da Serasa Consumidor, Giresse Contini, não há distinção nas negociações pedidas pessoalmente ou a distância, portanto não é necessária uma corrida aos postos de atendimento. “Muitas vezes, o cliente será atendido mais rapidamente pelas ferramentas eletrônicas do que no atendimento presencial, onde pode enfrentar filas”, explica Contini.

Caso o devedor escolha ir ao atendimento presencial, deverá levar documento de identidade com foto e “somente o próprio cliente deve ir. Não adianta mandar parente ou amigo com procuração”, alerta o diretor da SERASA.

Novidade

Neste ano, pela primeira vez, será permitida a renegociação de débitos para microempreendedores e microempresários. Ao rastrear o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), o sistema verifica se há débitos num Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica no mesmo nome.

O Feirão Serasa Limpa Nome começou em 27 de fevereiro e prosseguirá até o dia 31 de março. A extensão do desconto depende do número de parcelas que o cliente pode pagar para quitar o débito. Quanto menor a quantidade de prestações, maior o desconto e quem paga a vista tem maiores reduções.

Temos casos em que o desconto chegou a 98%. Uma dívida de R$22 mil foi reduzida para R$200”, disse Contini. Na última edição do feirão, em novembro de 2019, 4 milhões de dívidas foram renegociadas, com 70% sendo quitadas a vista e a maioria com mais de 80% de desconto.

 

Fonte: Agência Brasil